Porque não se generaliza o UML ? As 5 razões

Não é por falta de divulgação que o UML não tem uma adopção generalizada. Desde há alguns anos que “UML” é uma palavra que entrou no vocabulário de todos os que trabalham na engenharia de software. Apesar disso, o certo é que em Portugal o seu uso é pouco mais que residual. Tirando alguns – poucos – projectos em que existe um cliente, um gestor de projecto ou um arquitecto de software que faz questão em fazer alguma especificação em UML, esta notação não é praticamente usada. Se me pedissem uma projecção, eu diria que 95% dos projectos de software que se realizam em Portugal não são especificados em UML. Fora de Portugal, a realidade não é muito diferente. Segundo uma pesquisa de 2006 do professor Júlio Leite, da Universidade Católica do Rio de Janeiro, as taxas de adesão variavam muito consoante as zonas do globo mas, em nenhum dos estudos encontrados, ultrapassava os 30% de adesão.  Acredito que agora o panorama seja um pouco mais animador.

Vamos então às 5 razões que, na minha opinião, explicam o relativo insucesso: Continuar a ler