Porque não se generaliza o UML ? As 5 razões

Não é por falta de divulgação que o UML não tem uma adopção generalizada. Desde há alguns anos que “UML” é uma palavra que entrou no vocabulário de todos os que trabalham na engenharia de software. Apesar disso, o certo é que em Portugal o seu uso é pouco mais que residual. Tirando alguns – poucos – projectos em que existe um cliente, um gestor de projecto ou um arquitecto de software que faz questão em fazer alguma especificação em UML, esta notação não é praticamente usada. Se me pedissem uma projecção, eu diria que 95% dos projectos de software que se realizam em Portugal não são especificados em UML. Fora de Portugal, a realidade não é muito diferente. Segundo uma pesquisa de 2006 do professor Júlio Leite, da Universidade Católica do Rio de Janeiro, as taxas de adesão variavam muito consoante as zonas do globo mas, em nenhum dos estudos encontrados, ultrapassava os 30% de adesão.  Acredito que agora o panorama seja um pouco mais animador.

Vamos então às 5 razões que, na minha opinião, explicam o relativo insucesso: Continuar a ler

Em Portugal não são necessários Arquitectos de Software?

Fora de Portugal principalmente nos países mais info-literados, aos quais nós tanto queremos pertencer, a função é bastante conhecida e requisitada. Em Portugal nunca vi um anúncio de emprego a pedir Arquitectos de Software!

Podem dizer que não estou atento a todos os anúncios que se publicam em Portugal. Sim, é verdade, mas tive o cuidado de perguntar ao departamento de recursos humanos da empresa onde trabalho e também procurei nos site’s de emprego disponíveis, os genéricos e os de empresas de recrutamento especializadas em TI. Continuar a ler

Formato DjVu

Há algum tempo atrás, ouvi falar pela primeira vez no formato para representação digital de documentos  DjVu  (lê-se dejá Vu).  O formato foi desenvolvido originalmente pela AT&T Labs em 1996. Em 2000 a  LizardTech  adquiriu a tecnologia à AT&T e hoje em dia é comercializado pela LizardTech em parceria com a AT&T Labs.  O formato é aberto – licença GPL-  e as implementações mais conhecidas são open-source.

Descarreguei o software necessário para efectuar a leitura de documentos com este formato e fui experimentar. Continuar a ler

Uma lufada de ar fresco na arquitectura dos ERPs?

Hoje deparei-me com este post do Nicholas Carr. Chama a atenção para a WorkDay, nova empresa de Dave Duffield , antigo CEO da Peoplesoft.

A WorkDay promete revolucionar o mercado dos ERP’s. Diz mesmo que os ERP’s tal como nós os conhecemos têm os dias contados. Movido pela curiosidade, fui ver melhor. Continuar a ler

Prefácio

Depois de muito adiar chegou a altura de criar o meu primeiro blog.

Não será um blog pessoal. Este primeiro post será uma excepção. A minha intenção é partilhar, com quem fizer o favor de ler, alguns dos pensamentos, teorias ou opiniões acerca da área profissional onde estou envolvido, a indústria do desenvolvimento de software empresarial. Continuar a ler